Sérgio Sette Câmara define os primeiros testes da F2 como “um bom começo”

Sérgio Sette Câmara define os primeiros testes da F2 como “um bom começo”

Nesta quarta-feira, os 20 pilotos das 10 equipes de F2 realizam no Circuito de Jerez de la Frontera, no sul da Espanha, o segundo dia de treinos da pré-temporada. No primeiro contato dos carros da F2 com a pista, nesta segunda-feira, o experiente e talentoso holandês Nyck de Vries, 24 anos, do time campeão em 2018, ART, estabeleceu o melhor tempo nas duas sessões, da manhã e da tarde, ratificando a impressão geral na competição de ser forte candidato ao título este ano.

O mineiro Sérgio Sette Câmara, 20 anos, da DAMS, patrocinado pela Youse, realizou já de manhã, como muitos pilotos, uma simulação de classificação e ficou atrás apenas de Vries, e por pouco, 55 milésimos de segundo: 1min25s819 para o holandês, para um total de 17 voltas no traçado da Andaluzia de 4.428 metros, e 1min25s874 (28 voltas) para o brasileiro.

À tarde, quando algumas escuderias surpreendentemente simularam de novo a definição do grid, o Dallara-Mecachrome da DAMS de Sérgio não estava tão rápido. Enquanto Vries fazia 1min25s358 (51), meio segundo mais rápido do que de manhã, Sérgio não conseguiu sequer repetir a boa marca da manhã, 1min26s579 (36), apenas o nono tempo. A diferença de Sérgio para Vries cresceu de 55 milésimos para 1s221.

VEJA+: Guia da F2: pilotos, equipes e datas das corridas de 2019

O caminho escolhido pelos engenheiros do companheiro de Sérgio, o canadense Nicholas Latifi, levaram-no a um melhor acerto, permitindo a Latifi ser o terceiro de manhã, com 1min25s964 (34), e segundo à tarde, 1min25s727 (41).

Outro nome que concentrou grande interesse no primeiro dia de testes da pré-temporada da F2 foi Mick Schumacher, alemão, 19 anos, filho do piloto sete vezes campeão do mundo, Michael Schumacher. Hoje ele tem vida quase vegetativa, em decorrência de um acidente enquanto esquiava, em dezembro de 2013, nos alpes franceses.

Mick estreia na F2 com o status de campeão da conceituada F3 europeia no ano passado, com a mesma equipe, a italiana Prema. Na sessão da manhã, Mick ficou com o sexto tempo, 1min26s326 (28) e à tarde, o terceiro, 1min25s783 (31). Mick é piloto da Ferrari Drivers Academy (FDA) e tem a carreira gerenciada por Nicolas Todt, filho de Jean Todt, presidente da FIA e diretor da Ferrari quando Michael Schumacher conquistou cinco títulos seguidos, de 2000 a 2004.

Mick deverá testar o carro da Alfa Romeo de F1, já este ano, e quem sabe até o veloz SF90 da Ferrari nos treinos coletivos da F1. Se disputar uma boa temporada na F2, deverá estrear na F1 em 2020.

Confira aqui todos os tempos no site oficial da Fórmula 2

Depoimento de Sérgio Sette Câmara

Depois de se reunir com os engenheiros da DAMS, em seguida ao fim do primeiro teste, Sérgio deu o depoimento abaixo exclusivo para a Youse:

Olá amigos.

Felizmente a temporada da F2 começou, ainda que sejam apenas os testes que antecedem o início do campeonato, de 29 a 31 de março no Circuito de Sakhir, em Barein. Como escrevi aqui na nossa última conversa, eu me preparei bastante nos últimos meses para esse momento e as 12 etapas do calendário. Portanto ir para a pista gerou ótima sensação. Em conversa com meus colegas da F2, rimos juntos ao perceber que eles também tinham as mesma sensação.

Como de hábito, a pista estava suja no início da manhã. Sem atividade, a poeira se acumula. Isso a torna muito escorregadia. Andar nessas condições não acrescenta conhecimento, não nos dá indicação de estarmos no caminho certo no melhor ajuste do carro ao circuito. O pior é que há severa limitação de pneus para os três dias de testes.

(A Pirelli distribui somente 6 jogos dos médios e 2 dois macios para cada piloto, destinados a todo o período. É uma orientação da FIA para que os pilotos desenvolvam a capacidade de gerenciar o uso limitado de jogos de pneus, como enfrentarão na F1, onde para as quatro horas de treinos livres, uma da sessão de classificação e os 305 quilômetros da corrida a Pirelli disponibiliza 13 jogos de pneus.)

A prioridade no primeiro dia é sair dos boxes, dar uma volta em velocidade moderada e regressar aos boxes. Nossos engenheiros checam tudo através dos dados de telemetria, com o objetivo de verificar se todos os sistemas funcionam corretamente. Dá de haver, por exemplo, uma redução de pressão do óleo do motor e o time não perceber. Vai perder parte importante do dia, parado nos boxes, para sua substituição. Além do custo.

Essa volta inicial é chamada de instalation lap, ou volta de instalação, onde, como falei, tudo é checado pelos engenheiros e corrigido caso algo de anormal seja detectado. É uma medida de segurança.

VEJA+: Testes da F1 – Ferrari e RBR causam boa impressão. Mercedes, como sempre, não está preocupada

Apesar das condições do asfalto estarem longe das ideais, temos de sair dos boxes e, pior, com um jogo de pneus novos. Comecei verificando se o acerto básico que tínhamos estava correto, tornara o carro equilibrado e rápido. Não estávamos mal. No fim da manhã, o pessoal da DAMS decidiu que tínhamos de simular uma sessão de classificação.

(A provável adversária da DAMS na luta pela primeiras colocações, ART, havia feito o mesmo com seu piloto, Vries.)

Obtive um tempo muito bom na simulação de definição do grid, estava contente com o nosso acerto (como mencionado, Sérgio fez o segundo tempo, a 55 milésimos de Vries).

Fomos para a sessão da tarde com um programa bem definido, simular uma corrida. Também estava feliz com nossa regulagem, minhas voltas eram boas, tinha bom ritmo. Quando terminamos a simulação, os nossos engenheiros acharam por bem simularmos novamente a classificação.

(Vries e a ART já simulava também.)

Para nossa surpresa, para aquelas condições, distintas das da manhã, não fomos bem. Mas identificamos o que fez meu carro perder performance. Vamos começar o segundo dia de treinos com as modificações sugeridas pelo aprendizado do primeiro dia.

Até agora falei de mim e da DAMS. Isso porque não dá para saber, com precisão, o que nossos adversários fizeram no primeiro dia. Não sabemos se eles tinham muita ou pouca gasolina no carro. Analisando apenas o nosso trabalho, posso dizer não começamos mal, pelo contrário. O dia pode não ter sido como mais gostaria, mas também não foi ruim. Nos falamos amanhã, depois do segundo dia de testes, combinado? Abraços.