5 dicas para deixar a sua bicicleta numa boa

5 dicas para deixar a sua bicicleta numa boa

Você comprou a sua bike e sabe que pode contar com ela para ir ao trabalho ou dar um passeio. Mas é bom saber quais são os cuidados que você deve tomar para que ela fique sempre nos trinques. Confira essas 5 dicas que o Gustavo Angimahtz, diretor da Pediverde Cicloturismo, uma agência de turismo que promove passeios sustentáveis, levantou para você ficar numa boa nas duas rodas.

1 – Escolha bem o selim

 

Você precisa se sentir confortável com a sua bike. Por isso, peso, altura e selim precisam estar ajustados de acordo com o que faz você se sentir melhor. E não vá achando que existem bicicletas para homens e para mulheres, não. “Não existe essa diferença, você pode ajustar a bike do jeito que você quiser. Apenas o selim, o banco, que é indicado trocar assim que você compra a bike porque, geralmente, ele não vem com um formato adequado e confortável”.

2 – Calibragem dos pneus

 

 

Ao comprar uma bike, confira as rodas, os freios e as marchas. “As rodas têm que estar com os pneus calibrados com o número que está indicado no pneu, sempre próximo ao limite máximo para pedalar no asfalto. Com o pneu mais cheio e mais duro, vai te dar mais velocidade e menos chance de furar.”

3 – As marchas

 

Com as marchas, verifique se todas elas estão funcionando bem. “Na hora de pedalar, não use as marchas da frente com as de trás da coroa pequena, porque você pode cruzar a corrente e diminuir a vida útil das peças. Portanto, se do lado esquerdo usar a marcha 1, do lado direito vai usar as 2, 3 e 4 e por aí vai. Só olhar para baixo, com cuidado, para verificar se a corrente está cruzada”.

4 – Cuidados nos freios

 

Se os freios forem do tipo V-Break, que brecam no aro da bicicleta, você precisa verificar os veios das duas pastilhas. “Se não tiver esses veios, é necessário trocar porque as pastilhas já estão muito gastas, assim como pneu de carro. Além disso, se a fita do aro tiver algumas bolhinhas, significa que ele está velha e também precisa trocar.”

Já o freio a disco, é necessário fazer um procedimento chamado “sangrar”, que você pode levar em uma oficina para escorrer o óleo e repor outra vez. “É um serviço um pouco caro, mas necessário de tempos em tempos para você não perder o seu freio a longo prazo”.

E fique ligado: na hora de pedalar, veja também se a roda acompanha o guidão. Se ouvir estalos ou barulhos incomuns, mande para a revisão.

5 – Com que frequência tenho que ir para a oficina?

 

Se você usar muito, a frequência é grande. Mas se deixar ela parada, a frequência será muito maior, já que peças ressecadas diminuem ainda mais a vida útil dela. Se tiver pouco uso, o ideal é sempre lubrificar as marchas e limpar na hora do uso. “O que indicamos é trocar as marchas, a corrente e o cassete a cada 3 mil km e o pedivela a cada 10 mil km. Se você usa ela todos os dias, para ir e voltar no trabalho, vá a oficina a cada dois meses”.